out 01 2016

As primeiras ideias musicais: breve relato baseado em experiências com Educação Musical

As primeiras ideias musicais: breve relato baseado em experiências com Educação Musical

 

                                                                                                                                                  Líliam Ameal

 

liliam

            De acordo com a leitura do artigo “ Considerações sobre a educação musical na diversidade sob a perspectiva da musicalidade abrangente”  de Sérgio Luís de Almeida Álvares,  podemos considerar que não temos como precisar quando e como surgiu a música. As teorias apresentadas no artigo são válidas de acordo com a cultura e possibilidades de cada época, e, decorrentes de muitos estudos e pesquisas. Entretanto, nenhuma teoria sobre a origem da música mostrou-se conclusiva e livre de críticas, pois são incompletas e baseadas apenas num determinado aspecto.

            Dentre as teorias apresentadas, e de acordo com minhas experiências como professora de educação musical em várias escolas, observei a importância do ritmo  (movimento, dança) e da experimentação dos sons do ambiente, da natureza, do corpo (identificação, reconhecimento, imitação) no início do desenvolvimento musical dos meus alunos. Desse modo, penso que as primeiras ideias musicais possam ter surgido da mistura de ritmos e imitação de sons da natureza, ocasionando também a confecção dos primeiros instrumentos musicais.

            Consistentemente, depois disso, as músicas foram evoluindo de acordo com vários fatores, acompanhando a evolução da espécie e da história. Quando aparece a linguagem, como nos diz o texto “podemos associar o aparecimento da linguagem ao surgimento das artes” (p.2), como conhecemos hoje.

            Com a evolução da linguagem, a música também evoluiu e acrescentou aspectos da fala emotiva, fala melódica, do acalanto materno, construção de alturas e intervalos determinados, expressão, dentre outros. Uma junção de aspectos que parecem ter dado origem à música que temos hoje, e que a cada dia vai mudando e acrescentando outros aspectos.  Em consonância com essas ideias, segundo Albin (2012, p.126) nós estamos num tempo em que “as gerações convivem musicalmente numa razoável harmonia”. Temos músicas variadas com características bem diferentes, mas seguimos em algum aspecto a herança deixada por nossos antecessores.

20141021_171936

            Ademais, apareceram também as funções da música, como para a comunicação, para transmissão de emoções e sentimentos, para o trabalho coletivo, entretenimento e outras, de acordo com a cultura de cada época e sociedade, como nos mostra Merrian (1964) apud Álvares (2016). Com as descobertas científicas cada vez mais aparecem funções para o trabalho com recursos musicais.

            Concluindo, parece não ser muito importante saber qual a origem da música e como exatamente ela surgiu, e sim, de como fazermos uso de todos esses estudos na nossa prática como educadores musicais. Utilizar cada experiência musical ou a junção de duas ou mais em nossas aulas, deverá ser de acordo com os objetivos que pretendemos desenvolver e experimentar com nossos alunos. Numa mesma aula e experimentação, podemos fazer uso do ritmo, pulsação, utilizar sons do ambiente, imitar, trabalhar altura, expressão corporal e da fala/canto, etc.

            Cumpre agora desenvolver meios de obter benefícios a partir desses conhecimentos, assim como ajudar a promover avanços ainda mais significativos nessas pesquisas, inclusive por meio da elaboração de novas questões que devam ser estudadas.

Referências:

ALBIN, Ricado Cravo. MPB A História de Um Século. Rio de Janeiro:Instituto Cravo Albin, 2012.

ÁLVARES, Sérgio Luís de Almeida. Considerações sobre a educação musical na diversidade sob a perspectiva da musicalidade abrangente. Curitiba, CRV, 2016.

Imagens: Arquivo pessoal da autora e www.google.com.br

 

Link permanente para este artigo: http://blog.cienciasecognicao.org/?p=991

10 comentários

Pular para o formulário de comentário

    • Desio Cafiero Filho on 22/11/2016 at 10:18
    • Responder

    Liliam… Bom dia querida !!! Li muito rapidamente sobre o projeto e, apesar disso, considero importantíssima essa iniciativa de inclusão, socialização, harmonização das criança e jovens; através da iniciação musical. A música – alguém já disse a respeito – é uma linguagem universal e como tal, tende a aproximar as pessoas e torná-las mais atentas, participativas, predispostas a seguirem caminhos “do bem”. Por si só, creio que já seria uma forma belíssima de conduzir essas mentes em formação; pois, segundo uma letra oportuníssima, poderíamos concluir que “gente é pra brilhar, não pra morrer de fome”. Em Tempo: ainda quero inteirar-me mais sobre esse projeto que, certamente, trará muitos e bons frutos, principalmente, com a competência e dedicação de pessoas envolvidas; como você. Sucesso!!!

    1. Muito obrigada pelo seu comentário! Enriquecedor para nós!

    2. Muito obrigada! Sim. Vamos fazer contatos e trocar experiências!

    • Marilia Barbosa on 06/11/2016 at 20:16
    • Responder

    Mto importante para nos Educadores Musicais a criação desse blog, com tantas informações e relatos importantes e suas adversidades.Parabéns Lilian pela dedicação e competência ao conduzir seu trabalho.

    • lucia helena lima de oliveira noqueira on 06/11/2016 at 13:53
    • Responder

    parabéns liliam seu artigo e muito valioso na questão da educação musical abrangendo as especificidades de cada aluno e diferenças inclusivas! somente através da repetição imitação,do ritmo pulsante e na exploração do som do proprio corpo e a exploração do som do ambiente e que se consegue uma educação musical inclusiva ! explorando movimento, dança e expressão corporal jogos e brincadeiras cantantes, torna o ambiente rico e diversificado alegre, abrangendo todos os alunos sem distinção e em variadas idades! transformando todo o aprendizado de forma ludica e agradável transformando todos os apectos cognitivos do ser humano! grande abraço ! parabéns! me orgulho de ter sido sua professora de ed musical bjos!

    • lucia helena lima de oliveira noqueira on 06/11/2016 at 13:53
    • Responder

    parabéns liliam seu artigo e muito valioso na questão da educação musical abrangendo as especificidades de cada aluno e diferenças inclusivas! somente através da repetição imitação,do ritmo pulsante e na exploração do som do proprio corpo e a exploração do som do ambiente e que se consegue uma educação musical inclusiva ! explorando movimento, dança e expressão corporal jogos e brincadeiras cantantes, torna o ambiente rico e diversificado alegre, abrangendo todos os alunos sem distinção e em variadas idades! transformando todo o aprendizado de forma ludica e agradável transformando todos os apectos cognitivos do ser humano! grande abraço ! parabéns! me orgulho de ter sido sua professora de ed musical bjos!

    1. Obrigada, Lúcia! SEus comentários são muito importante para nós! Escreva uma experiência! Grande abraço!

  1. A criação de um blog como este nos permite refletir sobre a educação musical nos tempos de hoje,nos faz pensar e discutir ações,objetivos,metodologias e tudo aquilo que envolve os alunos.E nosso dever proporcionar aulas interessantes ,didáticas com apreciação musical e trabalho de expressão corporal .Parabéns Lilian pelo seu trabalho,sua dedicação e amor no que faz.Abraços musicais.

    1. Obrigada, Bruna! Que comentário mais carinhoso! Isso nos dá forças para continuar. Nosso objetivo é trocar experiências e ajudar na Inclusão na sala de aula, e não de publicarmos artigos científicos. Queremos uma experiência sua! E vc no Workshop do dia 19! Grande abraço.

        • Bruna Campana on 05/11/2016 at 21:05
        • Responder

        Já fiz minha inscrição, estou aguardando e torcendo pra conseguir minha vaga e da minha amiga Tania que tambem ja fez sua inscrição,queremos muito ir neste workshop trocar experiencias e aprender muito!Abracos…

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.