ago 15 2016

EDUCAR PARA A SENSIBILIDADE — O HUMANO COMO OBJETIVO DA EDUCAÇÃO MUSICAL: RELATO DE EXPERIÊNCIAS.

EDUCAR PARA A SENSIBILIDADE — O HUMANO COMO OBJETIVO DA EDUCAÇÃO MUSICAL: RELATO DE EXPERIÊNCIAS.

                                                                                                                                           Ana Laura Simão

IMG_20160722_170803124

Dentre as propostas e abordagens que vão dirigindo minhas escolhas metodológicas está presente o interesse pela formação humana e integral do indivíduo através da Educação Musical. Uma Educação Musical reflexiva e funcional. Para que através dela meus alunos possam ser autores de seus processos — não só musicais, mas também sociais e afetivos — e de seus caminhos ricos em possibilidades.

            Observei que para que pudessem alcançar tais objetivos necessitariam vivenciar experiências musicais sólidas, que conversassem com outras linguagens artísticas e que fossem, principalmente, prazerosas. Deveriam experimentar o fazer musical além do superficial e, que juntos desconstruíssemos e reconstruíssemos nossos conceitos e vínculos.

            Grande parte da fundamentação desta escolha metodológica e de pensar o desenvolvimento humano está presente nos ideais de Hans Joachim Koellreutter:

Processos de educação musical que tenham como objetivo a formação integral do ser humano só podem acontecer em contextos que respeitem e estimulem os alunos a explorar, experimentar, sentir, pensar, questionar, criar, discutir, argumentar… Propostas que propiciem o desenvolvimento da autodisciplina e da capacidade de refletir, de questionar, de criticar, dentre outros aspectos, tornam-se, então, aspectos fundamentais em tal proposta, promovendo situações para o exercício da comunicação e do relacionamento humano, estimulando o debate e a conscientização de aspectos relativos à música e ao humano. (BRITO, 2015, p.3)

als3

O HUMANO E A EDUCAÇÃO MUSICAL NO DIA-A-DIA ESCOLAR

            As atividades relatadas a seguir são um conjunto de experiências e vivências musicais desenvolvidas durante as aulas de Educação Musical no primeiro e segundo seguimento do Ensino Fundamental, no Colégio Equipe 1, localizado no município de São Gonçalo, estado do Rio de Janeiro.

Músicas e manifestações culturais brasileiras — Tocando, cantando, dançando e discutindo o cenário. No decorrer do ano letivo foi introduzido ao repertório da sala de aula cantos de trabalho e pregões, danças dramáticas e canções de ninar e de roda, recolhidos de pesquisas desenvolvidas em todo o país. Após conhecerem as obras os alunos observaram e questionaram os sons provenientes de materiais não convencionais, mas presentes nas atividades laborais de ferreiros, lavadeiras, pedreiros e vendedores ambulantes. Sob orientação, realizaram seus próprios pregões (canto de trabalhadores ambulantes utilizados para auxiliar nas vendas) e a turma viveu uma grande feira da diversidade. Além dos objetivos musicais a atividade contribuiu para que pudessem se aproximar do contexto sociocultural, no qual as manifestações aconteciam, despertou o interesse especial para o dialeto de cada povo.

Jogos musicais ativos do mundo inteiro — Brincando e compartilhando.
O jogo de pulso Pluf Tizen Tizen faz parte do folclore da Argélia e foi apresentado aos alunos de forma com que pudessem brincar todos juntos, compartilhando o pulso e sons vocais/corporais que acompanham a melodia. Inicialmente encantaram-se com a melodia “diferente” e que, segundo eles, remetia ao passado. Quando questionados sobre o que sentiam relatavam que não conseguiam ficar parados, que o desejo de dançar/movimentar-se era muito forte. Após realizarem o jogo em sala de aula traziam semanalmente novos sons e movimentos para incorporar à canção. Faziam questão de sugerir andamento e intensidade, reconhecendo a capacidade de dar sua impressão, deixar sua marca.   Decidiram compartilhá-lo com colegas de outras turmas, na quadra da escola, durante o intervalo. Ensinavam com prazer aos colegas que ainda não conheciam a letra e os movimentos, ressaltavam que no início também achavam tudo muito complicado.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

            Diante das escolhas que fiz e faço em minha prática pedagógica há algo que me satisfaz, que me transborda. É pré-requisito para este transbordar não perder de vista àquilo que me move, a interação humana, os vínculos criados durante o processo do fazer musical. A performance acontece e trimestralmente eu e meus alunos realizamos apresentações musicais aos  familiares e comunidade escolar. A prática de conjunto, o tocar com o outro, o acompanhar e ser acompanhado é diário. Reflito sobre as possíveis mudanças necessárias e avalio o resultado. Até então o cenário é de transformação social, de respeito à diversidade e de identificação de nós mesmos. Encerro pensando em Koellreutter que já nos dizia que é preciso aprender a apreender do aluno o que ensinar.

REFERÊNCIAS

BRITO, Teca Alencar de. O Humano como Objetivo da Educação Musical: o pensamento pedagógico de Hans-Joachim Koellreutter. 2015. (Apresentação de Trabalho/Seminário).

Imagens: Fotos arquivo pessoal da autora do texto.

 

Ana Laura Simão é Musicista e Educadora Musical. Realiza pesquisas nas áreas de Formação integral do indivíduo através da Educação Musical; Música e desenvolvimento infantil e Cultura da infância. Clarinetista da Cia de Artes Musicais Força & Garra. Professora de Música do Colégio Equipe 1 e do projeto sociocultural Música Encantada. É monitora do Curso de Capacitação em Musicalização através da Flauta, Programa Sopro Novo (YAMAHA). Ministrou as palestras “A música na Educação Infantil” na Secretaria Municipal de Educação de São Gonçalo e “Sensibilização Musical” e “Práticas Musicais no contexto escolar” no Espaço Psico & Aprendizagem.

Link permanente para este artigo: http://blog.cienciasecognicao.org/?p=961

3 comentários

1 menção

    • Heloisio Costa on 28/07/2017 at 17:09
    • Responder

    Sim Ana. Fico feliz em ver reforçada, registrada e vivenciada, a sua opção pela educação através da sensibilidade.Saber que o ser humano enquanto aprendiz, é o foco de todas as atenções. Melhor ainda saber que os espaços onde você desenvolve seu trabalho de educação musical também estão ombreados com esta aprendizagem significativa. Parabéns e sucesso pra ti.

  1. Parabéns pelo trabalho Ana ! Belo relato ! Koellreuter possa sempre inspirar a todos nós!

    • Janiny Almeida on 16/08/2016 at 8:46
    • Responder

    Excelente trabalho.
    Também penso dessa forma, aprender música é como aprender a falar e o conhecimento não pode ser atropelado,
    Deve ser inserido aos poucos, você precisa fazer parte dele para que ele venha acrescentar no dia a dia, e quando a gente menos espera, está lá uma criança atenta e participativa, cheia de idéias, opiniões, empolgados e aí você percebe que construir um cidadão através da sensibilidade musical e cultural, vale a pena.
    Janiny Almeida
    Professora de Musicalizacao no Bennett

  1. […] EDUCAR PARA A SENSIBILIDADE — O HUMANO COMO OBJETIVO DA EDUCAÇÃO MUSICAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA… […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.