Infância e Natureza – A criança em conexão com o momento presente

Mônica Maria Souza de Oliveira [i]

Hoje você já sentiu o vento na sua pele, os sons da natureza, o aroma e o sabor de alguma fruta, viu alguma lagarta durante o seu caminhar ou uma borboleta na paisagem?
Provavelmente muitos diriam que não se deu conta que algo nesse sentido tivesse acontecido, pelo menos no dia de hoje, momentos antes dessa leitura, seja por conta de muitos de nós vivermos no piloto automático ou divagando em nossos pensamentos.
Em contato com a natureza de certo que o estado de presença da criança é pleno ou deveria ser, mas são tantos os distratores mesmo para os bem pequenos, com os smarthphones e outros estimulos digitais e artificiais, que reconectar é preciso!
Pensando em mecanismos que pudessem promover essa reconexão das crianças com a natureza, despertar o interesse pelo livre brincar nos ambientes naturais, criar vínculos afetivos com todos os elementos naturais, conhecer para conservar e preservar, e desenvolver habilidades emocionais e cognitvas como a percepção, atenção, concentração, memória e criatividade; surgiu em 2018 o “Aprendendo a Surfar!”.
Essa iniciativa do Museu Itinerante de Neurociências (MIN/UFRJ), do Ciências e Cognição, oferece dinâmicas de (re) conexão com a natureza para crianças e adolescentes das escolas do Rio de Janeiro (públicas e privadas), utilizando práticas de meditação de mindfulness (programa de meditação laica) e atividades colaborativas com o Kablan – Jogo orgânico e cooperativo que estimula a criatividade, promove a integração e o engajamento dos participantes, utilizando-se gravetos e madeira de materias reaproveitados.
Durante a vivência lúdica, as crianças aprendem a praticar utilizando a respiração e o corpo como âncoras para se manterem no momento presente, passam a aguçar os sentidos, vivenciar experiências multisensoriais, brincadeiras e jogos de cooperação que contribuirem para qualificar as funções executivas, fortalecendo componentes essenciais para o desenvolvimento cognitivo e socioemocional, como: memória de trabalho, controle inibitório e flexibilidade cognitiva ( DIAMOND, 2012).
Como diz o pesquisador e idealizador da Mindfulness Kabat–Zinn (1994, p. 30) “você não pode parar as ondas, mas pode aprender a surfar”, essa é considerada a ideia central da Mindfulness – práticas que nos ajudam a estar atento ao momento presente de forma intencional, com abertura, curiosidade, aceitação e atitude não julgadora.
Vale destacar que as pesquisas científicas na área de educação apontam que os benefícios com a prática regular da Mindfulness estão relacionados ao aumento da capacidade de concentração e do rendimento escolar, melhora da atenção, memória, aprendizado, criatividade, autoconsciência, autoregulação atencional e emocional, melhora da autoestima, aprimoramento das relações interpessoais e sensação de bem-estar. (GARCIA-CAMPAYO et al, 2017)
Snel (2016, p.32) afirma que parar e observar é o passo mais importante para aprender a surfar, e assim pode ser nas situações do dia-a-dia, a partir de práticas meditativas regulares, que nos ajudarão a perceber melhor nossas emoções e sentimentos, o comportamento automático, e a nos darmos conta de que pensamentos só são pensamentos, afinal não podemos controlar as ondas do mar mas podemos aprender a surfar!

Referências


DIAMOND, A. Activities and programs that improve children’s executive functions. Current Directions in Psychological Science, 2012.

GARCIA-CAMPAYO, J. (Org.) ; DEMARZO, M. M. P. (Org.) ; ALARCON, M. M. (Org.) . Bienestar Emocional y Mindfulness en la Educación. 1. ed. Madrid: Alianza Editorial, 2017. v. 1. p.424

KABAT-ZINN, J. Wherever you go, there you are: Mindfulness Meditation for Everyday Life, New York: Hyperion, 1994, p.30.

SNEL, Eline. Quietinho feito um sapo. Rio de Janeiro: Bicicleta Amarela: 2016, p. 32.

Imagem: https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSqwa6wGiazXsuyKm0oiIF_sEjuJE5VdLIpS289mi3sxxnFiYL8

[i]

Colaboradora do blog Arte+Ciência Inclusão. Mestranda em Educação Gestão e Difusão em Biociências (IBQM/UFRJ), Pós-graduada em Neurociências aplicada em Aprendizagem (IPUB/UFRJ). Formação em Mindfulness.

Link permanente para este artigo: http://blog.cienciasecognicao.org/?p=1331

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.