Pensamentos só são Pensamentos! – por Mônica Maria Souza de Oliveira – Arte+Ciência: Inclusão

ago 01 2018

Pensamentos só são Pensamentos! – por Mônica Maria Souza de Oliveira

Pensamentos só são Pensamentos!

 

Mônica Maria Souza de Oliveira [i]

Você já se deu conta de que pensamentos só são pensamentos?

De que esses eventos mentais (pensamentos) podem ter sido acontecimentos ou experiências que resgatamos em nossas memórias, ou ainda, expectativas de algo que nunca pode acontecer ou ter acontecido, que nos leva ao passado ou futuro como se fossem acontecimentos reais?

Já se deu conta do quanto nossas emoções e sentimentos podem ser influenciados pelos padrões de pensamentos que surgem  em nossa mente, refletindo em nossos comportamentos no momento presente?

Na rotina do dia-a-dia, muitos de nós não nos damos conta disso. Parece até que vivemos grande parte do tempo no piloto automático, isso quando não estamos divagando e a nossa mente entra num processo de diálogo interno, querendo analisar o que passou ou o que está por vir, criando e gerando pensamentos; diálogo esse que “ativa principalmente as estruturas do cérebro frontal” (DERMAZO et al, 2015). Tal processo foi denominado Default Mode Network (Rede Neural em Modo Padrão), rede que se ativa no modo automático, cita o médico brasileiro da Universidade Federal do Estado de São Paulo (UNIFESP) Marcelo Demarzo, e Javier Garcia Campayo, psiquiatra, professor da Universidade de Zaragoza, especializados em Mindfulness (Atenção Plena ou Consciência Plena), no livro Mindfulness – Curiosidade e Aceitação.

Mas o que é mindfulness? A mindfulness é a autorregulação da atenção para o momento presente, com abertura, aceitação, curiosidade, intenção e sem julgamentos.

Praticado com base em exercícios ancorados principalmente na respiração e no corpo; “não é deixar a mente em branco nem suprimir as emoções de forma voluntária”, como destacam os autores, é um estado mental que pode ser desenvolvido a partir de práticas regulares, dentre as quais a meditação é uma das técnicas mais utilizadas.

Esses especialistas comentam que pesquisas científicas apontam que pessoas que passam anos meditando possuem a Rede Neural em Modo Padrão diferenciada de não praticantes, pois a mente delas está focada de forma consciente e voluntária nas sensações corporais e sensoriais, não no diálogo interno; sugerindo que “o treino metal pode levar o cérebro a um nível superior de consciência” (ABREU; ARAÚJO, 2010, p.22).

Cada vez mais pesquisas sugerem que a prática diária de mindfulness pode promover benefícios como melhor foco atencional, concentração, autopercepção – mais conciência das manifestações corporais; diminuição do estresse, o controle emocional e bem-estar psicológico.

Destaca-se a existência de registros nos quais muitas das “iniciativas em que práticas de mindfulness foram ensinadas a estudantes e a professores têm tomado lugar no cenário educativo brasileiro” (TERZI et al, 2018, p.211). Os relatos de experiências na área educacional são animadores, Terzi e outros (2018, p.227) ressaltam que a adoção dessas práticas no espaço educacional pode ter efeito preventivo na sáude mental de crianças e adolescente.

Nesse contexto escolar podemos mencionar as contribuições da mindfulness para qualificar as funções executivas, fortalecendo componentes essenciais para o desenvolvimento cognitivo e socioemocional, como a memória de trabalho, controle inibitório e flexibilidade cognitiva (REIS, 2014).

Então, que tal você conhecer melhor a prática de mindfulness, dentre outras práticas meditativas; começar a treinar a mente e sentir as mudanças no corpo?

Você pode se surpreender ao olhar para seu mundo interior, e perceber que afinal pensamentos só são pensamentos!

REFERÊNCIAS

ABREU, A.M.; ARAUJO, D. A neurofisiologia da consciência. Chapter January, 2010.

DERMAZO, M.; CAMPAYO, J. G. Manual Prático Mindfulness – Curiosidade e Aceitação. São Paulo: Palas Athena, 2015.

REIS, W.G.P. Evidências do papel de mindfulness no aprimoramento das funções executivas. 2014. Monografia (Pós-graduação em Neurociências) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

TERZI, A. M. et al. Mindfulness (“Atenção Plena”) em sala de aula: Narrativas de alunos do  4º. Ano do Ensino Fundamental, 2018.

Imagem: Foto do autor.

[i] Colaboradora do blog Arte+Ciência Inclusão. Mestranda em Educação Gestão e Difusão em Biociências (IBQM/UFRJ), Pós-graduada em Neurociências aplicada em Aprendizagem (IPUB/UFRJ). Formação em Mindfulness.

Link permanente para este artigo: http://blog.cienciasecognicao.org/?p=1236

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.